Construa sua Independência Financeira

Ser rico e atingir sua Independência Financeira Plena não é uma condição monetária, e sim um estado de espírito e estilo de vida de abundância dentro de nossos próprios termos e contexto. Ser rico é um estado de espírito, um estilo emocional, uma maneira diferente de se comunicar, pensar e sentir. E é justamente esse estilo emocional que vai produzir os comportamentos financeiros, sejam eles positivos, sejam negativos. Quando me refiro a ser próspero em sua realidade e contexto, percebemos que em todos os níveis sociais e financeiros sempre existem o rico e o pobre. Em uma comunidade carente, por exemplo, sempre existe o vizinho rico e o vizinho pobre. A mesma coisa acontece em bairros de classe média, como também na classe alta.

Se você é um candidato a uma vida rica e abundante, lembre-se de que a riqueza e a prosperidade financeira não tem nada ou quase nada a ver com dinheiro. Dinheiro é uma energia emocional, é a manifestação das emoções que você traz em seu peito, é apenas a concretização de suas crenças sobre você e o mundo ao seu redor. Dinheiro é a pura e simples manifestação de quem você acredita ser, do que acredita ser capaz de fazer e, por fim, a manifestação de seu nível de merecimento.

Como toda energia emocional, dinheiro pode ser bom ou ruim. Da mesma maneira que suas crenças podem ser boas ou ruins, limitantes ou fortalecedoras. Você já dever ter visto pessoas muito ricas, porém tristes, doentes e com famílias despedaçadas. Como também deve ter presenciado pessoas financeiramente ricas e ainda com famílias felizes, saudáveis e equilibradas.

Quem é verdadeiramente próspero precisa primeiro ser rico. Nesse sentido, a primeira dimensão significa ter uma identidade interna ou autoimagem de uma pessoa abundante financeiramente. A segunda dimensão é viver de forma abundante, ou seja, dentro da sua realidade e contexto, porém sempre com sobra e nunca falta. A terceira é o ter. Essa dimensão refere-se a possuir bens materiais em seu contexto e realidade.

DEFINIÇÃO DE MILIONÁRIO

 

Muitas pessoas me perguntam qual a definição de milionário. Nos Estados Unidos, é aceito que um milionário ou uma milionária é quem possui mais de 1 milhão de dólares em bens e patrimônio, sem contar a casa que mora e os carros de uso pessoal. No Brasil, a mesma definição é aceita com base em nossa moeda, o real.

Quando olho para essa definição, acredito que todas as pessoas são capazes de realizar essa quantia financeira. Uns em um tempo curto, outros ao longo da vida. Porém, com um olhar mais detalhado e crítico, percebemos que a palavra “milionário” não é válido para definir pessoal realmente bem-sucedidas financeiramente.

Minha primeira observação é sobre a independência financeira. Caso você possua 1 milhão de reais aplicados no sistema financeiro, terá um retorno bruto médio de 1%, que significa um rendimento de 10 mil reais por mês. De forma geral, esse rendimento não mantém o padrão de vida de quem conseguiu juntar 1 milhão de reais. A segunda observação é o baixo rendimento de aluguéis no Brasil. Atualmente, no mercado brasileiro o rendimento do aluguel de um imóvel está em torno de 0,4% a 0,7% do valor do imóvel. Então se você possui um imóvel no valor de 1 milhão de reais, existe a possibilidade de ter um rendimento abaixo da inflação, sem contar a taxa de 12% da imobiliária. Nos dois casos o rendimento do patrimônio de 1 milhão de reais não se mostrou grande coisa em termos de independência financeira, muito menos com o patamar de liberdade financeira.

QUANTO TEMPO PARA ME TORNAR UM MILIONÁRIO OU MAIS

 

Se você ler em algum livro ou vir em algum curso que com muita economia e disciplina poderá aproveitar a “mágica dos juros compostos” e que eles o farão rico em 20 ou 30 anos, escute meu conselho: saia agora desse curso ou pare de ler esse livro imediatamente. Primeiro, é muito frustrante poupar disciplinadamente por 20 ou 30 anos para ser milionário e, quando chegar lá, descobrir que seu milhão não o deixou verdadeiramente rico. O segundo erro é que a tão famosa e alardeada “mágica dos juros compostos” só funciona quando você já é mais que milionário, como vou mostrar nas tabelas a seguir.

Observe na tabela abaixo como a “magica dos juros compostos” – ou seja, juros do mês anterior incidindo positivamente no rendimento o mês seguinte e assim por diante ao longo dos anos – não transformará um pequeno investidor em uma pessoa rica, e ainda que não é justo esperar mais de 30 anos para descobrir que seu primeiro milhão não o deixou verdadeiramente rico e,  provavelmente, você já terá idade avançada demais para tentar ser, de fato, rico e livre financeiramente.

FATOR DE ENRIQUECIMENTO

 

Não vamos nos enganar. Enriquecimento financeiro é uma equação matemática, e, como Wallace D. Wattles já dizia há muitos anos, enriquecimento é uma ciência exata.

Muitos livros que abordam estratégias e conceitos de enriquecimento falham terrivelmente quando não expõem e nem explicam as únicas quatro variáveis que determinam se alguém vai ou não ser rico. As quatro variáveis são: a receita total mensal, o percentual poupado para investir, a rentabilidade dos investimentos efetuados a partir da poupança e, finalmente, o período de tempo de investimento da receita que foi poupada mês a mês.

Entendo que, de fato, existem apenas quatro variáveis que influenciam e determinam a capacidade de enriquecimento do indivíduo.

Acompanhe na tabela a seguir, no período de dez anos, três investimentos. Um com baixa rentabilidade, outro com média rentabilidade e outro com alta rentabilidade. Assim, você pode entender que, além de aplicar e investir seu dinheiro, você precisa trazer rentabilidade sobre ele.

Olhando para a tabela fica muito claro que a rentabilidade sobre seu investimento determinará se você será rico ou não. Agora, imagine se você não conseguisse nenhum rendimento sobre seu patrimônio. No final de dez anos a inflação teria corroído quase tudo.

O desafio para quem quer ficar realmente rico financeiramente é dominar e gerenciar as três variáveis potencializando cada uma delas sem se esquecer de repeti-las ao longo do tempo.

Assim, o primeiro passo é ganhar mais, bem mais, muitíssimo mais dinheiro e multiplicar seu rendimento mensal (R). O segundo passo é poupar (P) o máximo possível para investir. Para isso é fundamental ser organizado com suas finanças. O caminho mais seguro é ter um orçamento familiar com metas e um acompanhamento preciso para rendimentos, gastos e investimentos. E o terceiro passo é investir (I) o valor poupado com maior rentabilidade possível repetidamente ao longo do tempo e sempre acima da inflação.

Paul McKenna, no seu livro Eu vou te enriquecer (2010), traz uma ótima definição sobre o que é ser rico: “Ser rico é viver nos seus próprios termos, segundo suas possibilidades, e não segundo suas limitações”.

Mesmo que soe repetitivo, que reforçar as três dimensões do indivíduo verdadeiramente rico. Primeiramente, você precisa ser rico, ou seja, ter uma autoimagem de abundancia e prosperidade, independentemente de sua rendo ou condição atual. A segunda dimensão é fazer, ou seja, agir e viver com hábitos de riqueza, vivendo em seus termos, segundo suas possibilidades de abundancia, nunca segundo suas limitações. E a terceira dimensão é consequência das duas primeiras que é ter bens materiais e recursos financeiros.

Quando isso acontecer, o dinheiro fluirá imediatamente para você!